q

q

Seguidores

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 13



Gavião-carijó / Roadside Hawk (Rupornis magnirostris)

O carijó é o gavião mais predominante na cidade de São Paulo, e também em todo o Brasil. Apesar de ter bastante em São Paulo a maioria dos habitantes nunca o viu. Tudo bem, ninguém fica andando e olhando para cima dos prédios, ainda mais se só andar de carro, aí não ve nada mesmo. Para ver o carijó o mais importante é ficar com os ouvidos ligados, pois seu chamado é muito forte e dá para ouvir de grande distância, aí é só procurar em riba dos prédios ou árvores altas a sua volta.

"Como toda ave de rapina tem um papel indispensável no equilíbrio da fauna como reguladores da seleção. Evitam uma superpopulação de roedores e aves pequenas (como é o caso dos ratos e pombos nos centros urbanos) além de eliminar indivíduos defeituosos e doentes." (texto do wikiaves, ouça o canto do carijó no wikiaves)

sábado, 26 de dezembro de 2009

Ninhos adaptados

No suplemento agrícola do jornal O Estado de São Paulo da quarta-feira passada (23/12/2009), apareceram dois fatos interessantes relacionados a ninhos.
Em Atibaia, interior de São Paulo, descobriram um ninho de Pombão ou asa-branca(Patagioenas picazuro), costurado com pedaços de arame usado para amarração de ferragens de construção, fios elétricos e até clipes de prender papel.


Em Santa Cruz do Rio Pardo (SP), um tico-tico (Zonotrichia capensis), montou seu ninho em uma árvore de natal artificial.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 11

vira-bosta ou chopin / Shiny Cowbird (Molothrus bonariensis)

Em São Paulo pode ser visto em bandos, geralmente se alimentando em áreas gramadas.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 10

Sabiá-laranjeira / Rufous-bellied Thrush (Turdus rufiventris)

Por decreto oficial é a ave símbolo do Brasil. Popularíssimo em qualquer canto da cidade. Em São Paulo canta muito nas madrugadas, alvorecer e entardecer, entre os meses de agosto e novembro.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 09

Beija-flor-tesoura / Swallow-tailed Hummingbird (Eupetomena macroura)

Provavelmente o beija-flor mais numeroso do Brasil. É também um dos maiores e mais briguento.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Parabéns ao Wikiaves



O melhor site brasileiro de aves completou seu primeiro ano de vida.

Parabéns a comunidade do wikiaves.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 08

Papagaio-verdadeiro / Blue-fronted Parrot (Amazona aestiva)

Não é muito comum, mas sua população na cidade vem aumentando.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 07

Corruíra / Southern House-Wren (Troglodytes musculus)

Tem um dos mais belos cantos dos pequenos quintais.

Mede 12cm. de comprimento. Seu canto trinado, alegre e melodioso, é ouvido principalmente no começo da manhã. Enquanto ela se move sobre construções ou na vegetação, emite sem parar um crét crét, rouco e baixo. Bem pequena, pode ser escondida na palma da mão. É parente do famoso uirapuru, considerado por muitos como a ave brasileira que tem o canto mais bonito. Também a corruíra é grande cantadora.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

aves urbanas de São Paulo - 06


Pitiguari, upload feito originalmente por Luiz Álvaro.

Pitiguari / Rufous-browed Peppershrike (Cyclarhis gujanensis)

Vive escondido na folhagem das árvores, sendo denunciado pela sua vocalização. Canta em todos os meses do ano, às vezes mais de uma hora seguida e, depois, cala-se por algum tempo.

ouça o canto do pitiguari no site wikiaves

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

quadragésima

Hoje registrei a quadragésima espécie de ave que passa (e que eu vejo, pois devem ter várias que passam e eu não estou aqui para ver) no quintal de minha casa e redondezas imediatas. Hoje foi um bando de quero-quero (vanellus chilensis).

domingo, 13 de dezembro de 2009

trigésima nona

Alguns dias atrás avistei pela primeira vez, da porta da cozinha da minha casa, uma saíra-amarela (Tangara cayana). Moro no bairro de Vila Mariana em São Paulo. A uns 6 km do centro da cidade. Meu bairro é totalmente urbanizado. Apesar disso, com um olhar sempre a procura de aves, a saíra-amarela é a trigésima nona espécie que avisto da minha casa.
Ela estava bem longe, pousada sobre um grande eucalipto que sobrou num terreno nos fundos de casa. a foto ficou bem ruim mas é mais para registro.


uma outra foto um pouco melhor da saíra-amarela


a relação das 39 espécies já avistadas.

Garça-vaqueira

Família Cathartideos
Urubu-preto

Família Acipitrideos
Gavião-Carijó
Gavião-miúdo

Família Falconideos
Caracará

Família Columbideos
Rolinha-roxa
Pombo doméstico

Família Psitacideos
Periquito
Aratinga-de-bando
maracanã-pequena
papagaio-verdadeiro

Família Cuculídeos
Alma-de-gato
Anu-preto

Família Troquilídeos
Beija-flor-tesoura ou Tesourão

Família Picídeos
Pica-pau-do-campo
Pica-pau-de-cabeça-amarela

Família Tiranideos
Bem-te-vi
Relógio ou Teque-teque
Bentevizinho
Suiriri
Maria-cavaleira-de-rabo-enferrujado

Família Hirundinideos
Andorinha-pequena-de-casa

Família Trogloditídeos
Corruíra

Família Turdideos
Sábia-laranjeira

Família Vireonídeos
Pitiguari


Cambacica

Família Thraupidae
Tiê-de-topete
Sanhaço-cinzento
Sanhaço-do-coqueiro
Tiê-preto
saíra-amarela

Família Emberizídeos
Tico-tico
Canário-da-terra
Tiziu
Cardeal-do-nordeste

Família Icteridae
Chopim
pássaro-preto

Família Estrildídeos
Bico-de-lacre

Família Ploceídeos
Pardal

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 05

Cambacica / Bananaquit (Coereba flaveola)

É também conhecido como mariquita, chiquita (Rio de Janeiro), caga-sebo, sebito, sebinho, papa-banana (Rio Grande do Sul), saí e tem-tem-coroado (Pará) e é comum em uma grande variedade de hábitats abertos e semi-abertos onde existam flores, inclusive as de plástico. Em São Paulo é muito comum e compartilha os bebedouros com os beija-flores, apesar dos beija-flores não gostarem nem um pouco disso.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 04

Bem-te-vi
/ Great Kiskadee
(Pitangus sulphuratus)
Talvez seja a espécie mais popular do Brasil. Ocorre em todos os estados e todos os tipos de ambientes.

Esta é uma cena que não é muito comum, pois os bem-te-vis preferem mais os insetos que as frutas, porém, quando os insetos rareiam ou quando estão com filhotes reclamando por comida, eles agradecem e aproveitam qualquer fruta.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Aves urbanas de São Paulo - 02


rolinha-roxa, upload feito originalmente por Luiz Álvaro.

rolinha-roxa / Ruddy Ground-Dove (Columbina talpacoti)

Historicamente uma das primeiras espécies brasileiras a se adaptar ao meio urbano, ainda é a espécie nativa mais comum em boa parte das grandes cidades brasileiras.

sábado, 21 de novembro de 2009

A dança dos tangarás (Chiroxiphia caudata)


Já tinha muito lido e ouvido falar da dança dos tangarás, mas nunca tinha visto. Aí o Germano Whoehl, da RPPN Rã Bugio, conseguiu filmar e colocou no youtube. Muito legal. Vejam:
Filmado na RPPN Santuário Rã-bugio, em Guaramirim (SC.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

RPPN´s do Brasil - 4 - Sesc Pantanal

RPPN Sesc Pantanal

onde - Barão de Melgaço - Mato Grosso, entre os Rios Cuiabá e São Lourenço.
área - 106.307 hectares (a maior RPPN do Brasil)
bioma - Pantanal
aberto a visitas - sim
hospedagem - sim (Hotel Sesc Porto Cercado)
site - http://www.sescpantanal.com.br


Exibir mapa ampliado





terça-feira, 10 de novembro de 2009

Teoria da Diversão

They believe that the easiest way to change people's behaviour for the better is by making it fun to do. They call it The fun theory.

domingo, 11 de outubro de 2009

Curitiba e saí-andorinha

Semana passada estive em um evento em Curitiba. Curitiba está como sempre muito bonita, super arborizada, boas calçadas, tudo limpo, bom transporte, motoristas loucos, e o tempo também está como sempre, mesmo em outubro um frio de 9 graus e uma garoinha permanente.
Curitiba apesar de grande é super arborizada e por isso tem muitas aves (179 espécies com foto no wikiaves).

Consegui até fotografar pela primeira vez um saí-andorinha (macho). Perto do centro e ao lado do Shopping Estação.

o sanhaçu-do-coqueiro aproveita a primavera para comer ameixas-amarelas, no Tingui.

bico-de-lacre tem bastante.


Pica-pau-do-campo aproveita as belíssimas araucárias para descansar.

sábado, 12 de setembro de 2009

Coco da bicharada

Coco da Bicharada

Recriação de cantiga e versalhada popular por Antonio Nóbrega e Wilson Freire

Vou contar, que eu conheço,
E você nem acredita:
Uma cidade esquisita
Onde tudo é pelo avesso.
Se quiser dou o endereço
Para visitá-la um dia,
Gente lá não tem valia,
Como bicho é tratada,
Lá homem não é nada
Só quem manda é a bicharia.

Avoa, meu caboré,
Peneira, meu gavião.
Palmatória quebra dedo,
Palmatória faz vergão.
Quebra tudo, quebra pedra,
Só não quebra opinião.

Vi mosca de camisola,
Vi cavalo num debate,
Vi uma traça alfaiate,
Guaxinim tocar viola,
Um siri jogando bola.
Vi um píca-pau ferreiro,
Um veado arruaceiro,
Vi um mosquito tossindo,
Vi uma gata parindo,
E o cachorro era o parteiro.

Vi um peixe de chocalho,
Uma perua discreta,
Jabuti que era atleta
Mais veloz que um atalho,
Calango jogar baralho,
Formiga tapando furo,
A lagartixa no muro
Dando uma de alpinista,
E um preá capitalista
Emprestar dinheiro a juro.

Avoa, meu caboré,
Peneira, meu gavião.
Palmatória quebra dedo,
Palmatória faz vergão.
Quebra tudo, quebra pedra,
Só não quebra opinião.

Vi um jumento escrevendo,
Vi preguiça trabalhando,
Vi a besta reclamando.
Eu vi um morcego lendo,
Caranguejeira tecendo,
Porca em água-de-cheiro,
Vi um cururu faceiro,
Coruja no oculista,
Vi tatu ser maquinista.
No metrô lá de pinheiros

Vi a pulga se coçando,
Avestruz tirar encosto,
Vi barata ter bom gosto,
Um bode se barbeando,
Um gambá se perfumando,
Siriema ser modelo.
Vi minhoca de cabelo,
Vi cobra de suspensório,
Macaco no escritório
Organizando o desmantelo.

Avoa, meu caboré,
Peneira, meu gavião.
Palmatória quebra dedo,
Palmatória faz vergão.
Quebra tudo, quebra pedra,
Só não quebra opinião.

Vi onça vegetariana,
Piolho coçar cabeça,
Vi um burro prestar queixa,
Leão comando banana.
Vi a zebra de pijama,
Eu vi um peba engenheiro,
Guariba tocar pandeiro,
Tanajura usando tanga,
Vi o cão chupando manga,
Batendo bombo em terreiro.

domingo, 30 de agosto de 2009

Exposição "Olhar São Paulo" - abertura dia 02/09/2009

Tenho um amigo, o Hélvio Romero, que é repórter fotográfico do jornal O Estado de São Paulo, o famoso Estadão. Ele me mandou um convite para a exposição "Olhar São Paulo", que acho vai valer a pena visitar.

Mais informações sobre a exposição:

A cidade vista sob diferentes olhares resgatando a história, os costumes e seus universos paralelos; esta é a proposta da exposição fotográfica Olhar São Paulo. Entre locais desconhecidos e cartões postais, a mostra pretende revelar panoramas e detalhes da maior cidade do país que passam despercebidas.

A Mostra organizada pela ARFOC-SP com o patrocínio da Bourbon Convention Ibirapuera, entrará em cartaz em 02 de setembro, em comemoração ao dia do Repórter Fotográfico. Ao todo serão expostas 40 fotografias de 35 fotojornalistas do Estado de São Paulo. A seleção foi feita por membros da Comissão Organizadora, que recebeu cerca de 138 imagens de 51 profissionais. A lista dos participantes segue abaixo.

Exposição Olhar São Paulo
Abertura: 02 de setembro de 2009
Horário: 19:30h
Local: Bourbon Convention Ibirapuera
Endereço: Avenida Ibirapuera, 2.927 - Moema - São Paulo

Exposição: de 02/09/2009 a 10/12/2009


Expositores:
Alexandre Tokitaka
Alf Ribeiro
Apu Gomes
Claudio Capucho
Danilo Verpa
David Santos Junior
Diego Padgurschi
Edilson Dantas
Ernesto Rodrigues
Evelson de Freitas
Fernando Donasci
Filipe Araujo
Gaspar Nobrega
Gerardo Lazzari
Guilherme Lara Campos
Hélvio Romero
JF Diorio
Jose Cordeiro
Jose Luis da Conceição
Leonardo Soares
Marcos Alves
Mario Lucio Sapucahy
Marlene Bergamo
Moacyr Lopes Jr
Patricia Stavis
Paulo Whitaker
Raquel Toth
Robson Ventura
Rodrigo Paiva
Rubens Chiri
Thiago Bernardes
Tiago Queiroz
Toninho Cury
Valéria Gonçalvez
Zanone Fraissat

Aproveito para indicar o site de fotos do Hélvio Romero. Gosto muito de suas fotos e recomendo uma visita. Fotos incríveis do cotidiano das cidades.

Cenas da cidade. Entre uma pauta e outra ou no meio da pauta. Fotografar por prazer.

http://helvioromero.wordpress.com/

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

duas notícias: uma muito boa e outra ruim

A muito boa: Registrado pela primeira vez no Pantanal a presença do Gavião-real (Harpia harpyja), inclusive com ninho. Leia a notícia no O ECO

a foto do Gavião-real na RPPN do Sesc Pantanal é de Flávio Ubaid

A outra notícia, também do O ECO é sobre um tal de rally ecológico na região do Rio Araguaia. Rally ecológico é troféu cara de pau. clique aqui para ler.

sábado, 22 de agosto de 2009

De que me adianta viver nesta cidade se a felicidade não me acompanhar

Saudades da minha terra
(Goiá e Belmonte)

De que me adianta viver na cidade
Se a felicidade não me acompanhar

Adeus, paulistinha do meu coração
Lá pro meu sertão quero voltar

Ver a madrugada, quando a passarada
Fazendo alvorada começa a cantar

Com satisfação arreio o burrão
Cortando o estradão saio a galopar

E vou escutando o gado berrando
Sabiá cantando no jequitibá

Por nossa senhora, meu sertão querido
Vivo arrependido por ter te deixado

Esta nova vida aqui na cidade
De tanta saudade, eu tenho chorado

Aqui tem alguém, diz que me quer bem
Mas não me convém, eu tenho pensado

Eu fico com pena, mas essa morena
Não sabe o sistema que eu fui criado

Tô aqui cantando, de longe escutando
Alguém está chorando com o rádio ligado

Que saudade imensa do campo e do mato
Do manso regato que corta as campinas

Aos domingos ia passear de canoa
Nas lindas lagoas de águas cristalinas

Que doce lembrança daquelas festanças
Onde tinham danças e lindas meninas

Eu vivo hoje em dia sem ter alegria
O mundo judia, mas também ensina

Estou contrariado, mas não derrotado
Eu sou bem guiado pelas mãos divinas

Pra minha mãezinha já telegrafei
E já me cansei de tanto sofrer

Nesta madrugada estarei de partida
Pra terra querida, que me viu nascer

Já ouço sonhando o galo cantando
O inhambu piando no escurecer

A lua prateada clareando a estrada
A relva molhada desde o anoitecer

Eu preciso ir pra ver tudo ali
Foi lá que nasci, lá quero morrer

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Era uma vez a RPPN?

Um artigo de Cristiane Prizibisczki publicado hoje no site O Eco. Notícia muito ruim. Realmente não é fácil tentar proteger a natureza.
http://www.oeco.com.br/reportagens/37-reportagens/22294-era-uma-vez-a-rppn

domingo, 16 de agosto de 2009

Os sabiás já estão cantando

Dessa vez, nem bem chegou agosto, e os sabiás-laranjeira já começaram a cantar. No dia 08 de agosto ouvi pela primeira vez o canto do sabiá, um pouco antes das 5 da manhã. Identifico como um aviso de que o pior do inverno já passou e que as características da primavera já começam a aparecer. Aqui perto de casa a pitangueira já floriu, a grumixameira está começando a florir (não me lembro dela florir tão cedo, geralmente só floresce em novembro), a amoreira já tá cheia de futuras amoras. Observei o bem-te-vi fazendo ninho num transformador de um poste aqui da rua. São sinais.
Em agosto de 2007 eu gravei um pequeno vídeo do sabiá-laranjeira cantando no pé de grumixama. O canto deste ano é parecido, com o característico "plon-plon", provavelmente copiado pelo sabiá do som emitido pelos carros da redondeza quando o alarme é desligado.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Reserva Biológica do Uatumã

A Rebio Uatumã abrange 942.786 ha e foi criada em 1990 com o objetivo de preservar a diversidade biológica do ecossistema de Floresta Tropical Densa da bacia do rio Uatumã/Jatapu e os ecossistemas lacustre e insular formados com o barramento do rio Uatumã e proteger espécies endêmicas, raras, vulneráveis ou ameaçadas de extinção. Está localizada entre os municípios de Presidente Figueiredo, São Sebastião do Uatumã e Urucará.


Exibir mapa ampliado

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Pato-mergulhão - comportamento reprodutivo

O pato-mergulhão é uma ave seriamente ameaçada de extinção.
O vídeo mostra imagens do comportamento reprodutivo do pato-mergulhão extraídas do documentário Biologia e conservação do pato-mergulhão no Parque Nacional da Serra da Canastra, editado com o apoio da Universidade Federal Fluminense. Saiba mais em: http://cienciahoje.uol.com.br/149590

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

O trenzinho caipira da Júlio Prestes

Do O Estado de São Paulo - edição de 03/08/2009

O trenzinho caipira da Júlio Prestes

José de Souza Martins

Na contraluz do vitral, a fumaça da locomotiva a vapor se dissolve entre o verde das plantações, os muitos tons de terra dos montes adiante e o céu azul. Tudo ali no antigo saguão da Estação Júlio Prestes. O sinal baixado dá passagem ao trem de carga. Na linha paralela, uma composição de passageiros se perde em direção ao interior, no mesmo rumo dos fios do telégrafo. Aquele vitral é uma viagem. Cristalizou nos vidros multicores um tempo que de muitos modos permaneceu na memória dos paulistas. O passado foi ficando ali, filtrado pela luz externa, enquanto a cidade se transformava, os passageiros partiam e não voltavam, o trem desaparecia e o sonho acabava. Obra do engenheiro Cristiano Stockler das Neves, a estação fora inaugurada em 1938. A Sorocabana teve três sucessivas estações terminais na cidade de São Paulo. A mais antiga, pequena, perto da Estação da Luz. Foi demolida há alguns anos. No lugar há um barracão. Depois, outra bem maior, onde é hoje a Estação Pinacoteca, depois de ter sido o Dops. E, finalmente, o monumental edifício da Júlio Prestes, hoje abrigando a Sala São Paulo e a Secretaria da Cultura. As plataformas ainda recebem os trens do subúrbio.

Houve tempo em que dali saía o trem internacional, que ia até Montevidéu. Fazendo-se baldeação no Rio Grande do Sul, chegava-se a Buenos Aires. Havia trens entre São Paulo e a capital argentina três vezes por semana. Fiz um trecho dessa viagem quando a longa ligação ferroviária já estava mutilada, os carros e locomotivas já velhos, obsoletos e vagarosos trafegavam quase vazios. O trecho em que a ferrovia acompanhava o Rio do Peixe, em Santa Catarina, atravessava uma das nossas mais belas paisagens. Corria, também, através da terra mítica que foi cenário da Guerra do Contestado, na insurgência messiânica dos pobres da terra, de 1912 a 1916. Ao longo do caminho ainda havia sinais daquele tempo, cemitérios abandonados de vítimas da guerra que se via da janela do trem, estações que foram ficando, incrustadas no passado. Nomes poéticos que foram se perdendo: a estação de São João dos Pobres passou a chamar-se Matos Costa, em memória de oficial do Exército morto no conflito.

Da Júlio Prestes saía também o trem que ia a Bauru, onde se fazia baldeação para a Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Atravessava-se o Pantanal mato-grossense no começo da noite, a lua brilhando sobre a água que se disfarçava sob o capim e as plantas. Ia até Corumbá, às margens do Rio Paraguai. Ali se fazia baldeação para a Estrada de Ferro Brasil-Bolívia, que ia até Santa Cruz de la Sierra. Só esse trecho de uns 600 km tomou uma semana inteira na viagem que fiz à Bolívia, em janeiro de 1958.

A Sorocabana foi a única ferrovia paulista que não nasceu do café. Nasceu do algodão, em Sorocaba.

domingo, 2 de agosto de 2009

Deu no o Eco - Parque Nacional da Chapada dos Guimarães reaberto

Depois de um ano e três meses fechado à visitação, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (MT) reabriu as portas para dois de seus destinos mais procurados: a Cachoeira do Véu da Noiva e o circuito das cachoeiras. Uma nova trilha para o mirante do Véu da Noiva foi criada com 550 metros (ida) e tem capacidade de carga de 100 pessoas por vez. O acesso à seqüência de cachoeiras só é autorizado para grupos de até 12 pessoas acompanhado de guia credenciado. Carros e ônibus agora têm estacionamento do lado de fora da portaria, o que ameniza o impacto no interior da unidade de conservação. O parque fica aberto das 11h às 17h e não está sendo cobrado ingresso. No feriado de 21 de abril de 2008 um bloco rochoso do tamanho de um ônibus se desprendeu de um dos paredões do parque atingindo visitantes que se banhavam no lago da cachoeira Véu da Noiva. Uma adolescente morreu no acidente. Desde então, o parque esteve fechado para planejamento e obras de melhoria com recursos estaduais, após acordo firmado entre Instituto Chico Mendes e governo de Mato Grosso. Por causa da instabilidade geológica da região e da falta de infra-estrutrura para segurança, os mirantes do Paredão do Eco e Cidade de Pedra continuam interditados ao público. Para mais informações 65-33011133 ou acesse: http://www.icmbio.gov.br/parna_guimaraes/


sexta-feira, 31 de julho de 2009

The Pen Story

Lindo vídeo, ótima música.




This is the PEN Story in stop motion. We shot 60.000 pictures, developed 9.600 prints and shot over 1.800 pictures again. No post production! Thanks to all the stop motion artists who inspired us. We hope you enjoy :-)

Free download of the music at http://olympus.eu/penstory/

Some of the comments we have read here suggest that we should mention the creator of "A wolf loves pork", Mr Taijin Takeuchi.
While we were looking for a way to realise a story describing "a journey through time" based on printed images, we were inspired by Mr Takeuchi's brilliant work. For this reason we intentionally quoted his work in our little movie while showing full respect to his original idea. We didnt mention his name because we did not want to do so without his prior agreement.
However after considering some of the comments posted here we have decided to add credits to him and his work, which we obviously absolutely love.

domingo, 12 de julho de 2009

Compartilhamento

Uma garrafinha com água doce para beija-flores faz a alegria de muitas outras espécies.

Os periquitos-ricos, por exemplo, atacam a garrafinha organizadamente, um em cada florzinha,


ou bagunçadamente, com até 3 aves atacando uma florzinha.


Os cambacicas, também nectarivoros como os beijas-flores, adoram a garrafinha, e para beber até se esticam todos numa manobra admirável.


até quem voa mas não é ave, como os morcegos, quando chega a noite tomam conta da garrafinha.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Instituto Rã-bugio em Defesa da Mata Atlântica

Vídeo de uns 4 minutos. Muito bonito e bem montado. Recomendo.

Vídeo que mostra a riqueza da biodiversidade da Mata Atlântica de Santa Catarina apresentado nas palestras da ONG ambientalista Instituto Rã-bugio. Todas as imagens foram gravadas nas RPPNs dos fundadores Elza Nishimura Woehl e Germano Woehl Junior.
Visite o site do Instituto Rã-bugio
http://www.ra-bugio.org.br/
e o Blog do casal Elza & Germano
http://ra-bugio.blogspot.com/

Edição do Vídeo: Sibele Kamchen

quinta-feira, 9 de julho de 2009

sábado, 4 de julho de 2009

condomínio de alto risco

Um amigo me enviou esta foto que ele tirou em Morungaba, interior de São Paulo.
Os joão-de-barro não estão nem aí com a proximidade da rede elétrica. Para eles uma base sólida a uma boa altura é o necessário.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Birdwatching remoto e online

Birdwatching remoto e online: "Quem aprecia a observação de pássaros, deve ligar o computador bem cedinho neste domingo (5) para o primeiro Web Birding Brazil. Depois de acessar o endereço http://www.ustream.tv/channel/web-birding-brazil, a partir das 7h30min, será possível conferir um dia inteiro da prática no Parque Barigui, em Curitiba. Com a ajuda de guias da Ornatur Birding Tours e de câmeras online, será possível ver em tempo real as aves que habitam a reserva da capital paranaense. Todas as pessoas conectadas poderão debater e trocar informações sobre o questão observando através de um mecanismo de bate-papo."